quinta-feira, junho 2

enquanto escrevo me molho

quero fazer um passeio a nu
no teto da minha escola
arrastar meu corpo
desprotegido
pelas pedras soltas daquela laje
marcar de vermelho minha pele
alvejada
pela luz da lua
brilhar nua
montar em você ao luar
movimentar-me no teto
lamber-te o sexo
teus dedos escorrendo
de mim
em nós
na laje
da minha escola
e desfilar meu corpo
esfolado
mordiscado
abatido
como um troféu
um prêmio à essa minha ousadia
tão selvagem

2 comentários:

  1. Maravilhoso o teu poema!

    ResponderExcluir
  2. Excepcional! Excelente poesia! Tem mistério, emoção, romance e beleza!

    ResponderExcluir