sábado, abril 7

Blás

Odeio pensamentos enterrados que voltam à tona com a força de um hipopótamo.
Gosto de fingir que poemas a outras são pra mim.
Não gosto de ver fotos de gente querida em que eu não estou.
Adoro uma mensagem sua no meio da manhã nas aulas mais chatas.
Odeio pensar demais nas minhas amizades.
Gosto de ficar com a minha irmãzinha em casa e fingir que sou mãe dela.
Não gosto quando querem que eu haja como mãe dela.
Amo ter vinte anos e pensar ter o mundo nas mãos.
Odeio limitarem o tamanho das minhas mãos.
Não gosto disso de pensar no que as pessoas querem dizer.
Sou louca pra saber o que tudo, tudo, significa. Minha curiosidade é quase imbatível.

Nenhum comentário:

Postar um comentário