domingo, agosto 22


Sou veterano e a vida é dura, ainda tô fazendo arquitetura...

terça-feira, agosto 10

Pois é

Eu estou bem, afinal.

sábado, agosto 7

O hoje de hoje

Hoje foi uma grande fossa abissal. Olhando pastas antigas, misteriosamente, algumas fotos velhas me fizeram sentir bem - de um modo diferente, como há muito tempo eu não me sentia -, em relação a o que eu ando fazendo da minha, digamos, juventude - eu pareço uma velha falando assim. E, sabe, não é tudo tão ruim quanto tem aparentado... O último um ano e meio foi corrido demais e eu acabei esquecendo - e isso acontece com certa frequencia - o que eu sou de verdade. O pouco tempo que eu tenho tido desde o início de 2009 eu uso para descançar, namorar (oin ♥) ou me colocar para baixo - minha principal tarefa de hoje. No fundo, eu acho que eu não mereço isso... Não sei como eu me aguento - por isso aceito relativamente bem o fato de que todo mundo, um dia, vai se esquecer de mim e a minha necessidade patológica de marcar a humanidade não vai ser alimentada.

Minha piscicóloga - que é ótima, aliás, e que eu queria continuar frequentando - uma vez disse que eu vivia muito fra do chão. Como é típico da minha persolnalidade, eu não acreditei e achei até um insulto à minha tentativa contínua de perfeição tal defeito. Agora eu vejo como ela estava certa, e eu que sempre achei que me conhecia tão bem. Por isso ando tão assustada, com medo do lado de fora, sem vontade de sair. Idealizei para mim um mundo perfeito, ou quase, que respondesse às minhas expectativas e aos meus sonhos, mas que não existe. Isso é o mais triste desse processo de descobrimento pelo qual eu tenho passado. Desde que comecei a faculdade esse ano eu tenho tido que enfrentar o real, descobrindo o quão distante ele é do meu ideal. "O medo nos leva a tudo, sobretudo à fantasia". E tem sido difícil. Realmente tive medo de ficar doente - e creio que, se não fosse pelo incrível auto-controle que eu tenho, pela influência  que exerço sobre mim, teria ficado. Eu devo, também, muito a você por me ouvir com tanta paciência, mesmo quando não faz o menor sentido.

Me sinto desintoxicada escrevendo tudo aqui. Pareciam que estavam me destruindo aos poucos, esses pensamentos. Eu só não posso esquecer dessas descobertas que eu fiz sobre mim, seria tão mais dolorido enfrentar a verdade assim... Espero não ter entediado ou assustado ninguém que supostamente esteja lendo, nem sempre consigo me expressar escrevendo coisas bonitas e supostamente artísticas. Acho que a arquitetura tem mudado um pouco meu modo de expressão também, tudo tem ficado muito mais visual para mim - não que eu prefira isso; opto, é claro, pelo balance perfeito entre a escrita e o desenho (não que eu desenhe ou escreva bem, também). Acho que perdi uns 4kg hoje.

terça-feira, agosto 3

Por que diabos eu crio expectativas?
Acho que eu gosto de quebrar a cara.

segunda-feira, agosto 2

Está frio

Meu desejo é escrever
(mas como, sem tentar?!)
E eu só falo de mim,
você pode me salvar?
(Esse não foi um princípio,
só para constar.)