domingo, outubro 31

É o fim!

Amém.

terça-feira, setembro 21

Para você

Sei que não escrevo muito, amor
mas não esqueço do teu sorriso.
Pois de todos os que já tive,
és de longe o meu mais querido.


A saudade, amor, é boa
faz a gente suspirar.
E se eu vejo um cão na rua,
tua lembrança me faz corar.


É a tua cara de bobo, amor
que deixa meu mundo apertado.
Quero despir-te por inteiro
para ficar mais ao teu lado.

Amor, se eu te magoo às vezes
não é porque não te desejo.
Por favor, nunca te esqueças:
quando acordar, me dê um beijo.

domingo, agosto 22


Sou veterano e a vida é dura, ainda tô fazendo arquitetura...

terça-feira, agosto 10

Pois é

Eu estou bem, afinal.

sábado, agosto 7

O hoje de hoje

Hoje foi uma grande fossa abissal. Olhando pastas antigas, misteriosamente, algumas fotos velhas me fizeram sentir bem - de um modo diferente, como há muito tempo eu não me sentia -, em relação a o que eu ando fazendo da minha, digamos, juventude - eu pareço uma velha falando assim. E, sabe, não é tudo tão ruim quanto tem aparentado... O último um ano e meio foi corrido demais e eu acabei esquecendo - e isso acontece com certa frequencia - o que eu sou de verdade. O pouco tempo que eu tenho tido desde o início de 2009 eu uso para descançar, namorar (oin ♥) ou me colocar para baixo - minha principal tarefa de hoje. No fundo, eu acho que eu não mereço isso... Não sei como eu me aguento - por isso aceito relativamente bem o fato de que todo mundo, um dia, vai se esquecer de mim e a minha necessidade patológica de marcar a humanidade não vai ser alimentada.

Minha piscicóloga - que é ótima, aliás, e que eu queria continuar frequentando - uma vez disse que eu vivia muito fra do chão. Como é típico da minha persolnalidade, eu não acreditei e achei até um insulto à minha tentativa contínua de perfeição tal defeito. Agora eu vejo como ela estava certa, e eu que sempre achei que me conhecia tão bem. Por isso ando tão assustada, com medo do lado de fora, sem vontade de sair. Idealizei para mim um mundo perfeito, ou quase, que respondesse às minhas expectativas e aos meus sonhos, mas que não existe. Isso é o mais triste desse processo de descobrimento pelo qual eu tenho passado. Desde que comecei a faculdade esse ano eu tenho tido que enfrentar o real, descobrindo o quão distante ele é do meu ideal. "O medo nos leva a tudo, sobretudo à fantasia". E tem sido difícil. Realmente tive medo de ficar doente - e creio que, se não fosse pelo incrível auto-controle que eu tenho, pela influência  que exerço sobre mim, teria ficado. Eu devo, também, muito a você por me ouvir com tanta paciência, mesmo quando não faz o menor sentido.

Me sinto desintoxicada escrevendo tudo aqui. Pareciam que estavam me destruindo aos poucos, esses pensamentos. Eu só não posso esquecer dessas descobertas que eu fiz sobre mim, seria tão mais dolorido enfrentar a verdade assim... Espero não ter entediado ou assustado ninguém que supostamente esteja lendo, nem sempre consigo me expressar escrevendo coisas bonitas e supostamente artísticas. Acho que a arquitetura tem mudado um pouco meu modo de expressão também, tudo tem ficado muito mais visual para mim - não que eu prefira isso; opto, é claro, pelo balance perfeito entre a escrita e o desenho (não que eu desenhe ou escreva bem, também). Acho que perdi uns 4kg hoje.

terça-feira, agosto 3

Por que diabos eu crio expectativas?
Acho que eu gosto de quebrar a cara.

segunda-feira, agosto 2

Está frio

Meu desejo é escrever
(mas como, sem tentar?!)
E eu só falo de mim,
você pode me salvar?
(Esse não foi um princípio,
só para constar.)

segunda-feira, julho 19

(eu me recuso a fazer uma lista de 1,2,3)

Para começar, quero você. E férias, ótimo. Você mais férias e viagens, melhor. Minhas amigas, lindas, também - tragam o jantar e toalhas de mesa, não esqueçam a tequila e a sobremesa! Escrever, sempre bom. Mas escrever bem, não essa aleatoriedades que me vêm à cabeça. Dormir tarde e acordar mais tarde ainda, um luau na praia numa noite gelada, violão, músicas boas - nada de mashmelow, que engorda. Comer sem engordar, hmmmmmmm. E caramel cream frapuccino - dose extra de caramelo.Um patê de atum especial e um vestido novo de estampa floral. Uma decoração pro meu quarto com um espelho antigo, mais cartas e fotos pro mural. Rede e um cobertor de lã - anti-alérgico, por favor. Nada de provas, maquetes, plantas e dores nas costas por um mês. Beijos de chantilly, migslinds em Paris, um dia de praia - um por ano é bom. Alongamento de pilates, fofocas. Cortar o cabelo. Quantas vezes eu quiser. De graça. Fontes jorrando de criatividade, dias com 30 horas. Vida social back. Batata doce.

quinta-feira, julho 8

S.O.S.

Quero meu ano passado de volta... Vem, vida, volta pra mim! A faculdade me fez esquecer quem eu sou (ui!) ou eu não sou mais quem eu era (uiui!) ou simplismente eu nunca fui.
O que eu faço, zesus...
Se alguém puder me dar uma (mínima) palavra de consolo, eu aceito.

terça-feira, junho 22

O que se passa

Das consequências de cursar arquitetura:

1 - O seu tempo some, evapora como gotinhas de água no asfalto a 45ºC
2 - Se você tiver sorte - como eu - de cair na turma do professor mais legal e justo da faculdade vai ver sua auto-estima caiiiiiiiiiiiiiiiii...ndo e...
3 - vai se perguntar porque diabos sua criatividade não existe nas horas que você precisa ou simplesmente não é o suficiente pra tudo o que você tem que fazer.
4 - Seus dedinhos lindos - e sem unhas bonitas - estão com várias cicatrizes. Causa direta: estilete + régua de aço + longos trabalhos.
5 - A dor na costas que só piora quando você muda de posição - quem foi o designer que projetou essa porcaria de prancheta?!
6 - Quando se põe a mão no bolso para achar dinheiro e comprar um simples mate e não encontra nada - sim, seus R$ 20,00 foram gastos na papelaria.
7 - Seu aparente talento - e o sonho de ser um grande arquiteto e morar nas casa que você projetará - também somem.
8 - Seu local de estudo se torna, pouco a pouco, num depósito, conforme você vai adicionando prateleiras e caixas para papel, réguas mil, lápis, pincéis, borrachas, livros...
9 - Você quase morre ao saber que pode e vai piorar.
10 - Você ama cada vez mais esse curso lindo, meio engenharia, meio arte, pura beleza.



Oin, tô mortinha de cançaso.

domingo, junho 13

O que tem tomado meu tempo




"Sou calouro, a vida é dura, tô fazendo arquitetura"

sábado, maio 22

Tarde

Estou aflita, aceitaria uma bebida.
Embevecida no torto do teu rosto
quero rostí-lo até ver-te áureo.
Auriverde é a nossa alma.
Almagamar-te em mim,
mimeografando outros amores,
amoras pondo a cama.
Camaleões de lençol
laços de fita emolduram o cenário
um canário pia até estourar.
 __________
Não me julguem pela falta de tempo... (e inspiração)

quarta-feira, abril 28

terça-feira, abril 20

Pré-viagem

 

G: Você vai ver o que não vai ter mais acento daqui a pouco...
T: "Acento" com S ou SS?

quarta-feira, abril 14

Que honra!

O primeiro de muitos! (assim espero)

Sei lá, estou felizona (:

quinta-feira, abril 8

Dói

A dona do blog está com dor de cabeça e cansou da sua casa. A dona do blog quer morar sozinha. Alguém aí quer morar com ela? (A dona do blog só não promete lavar a louça e cozinhar)

quarta-feira, março 31

tempocade?

Esse blog precisa de um layout novo, ele sabe disso. Vou usar meus trabalhos de DA I.

sexta-feira, março 26

 E depois ninguém acredita quando eu digo que é verdade...

segunda-feira, março 22

Faufaufaufaufau

Não dá nem pra dizer o quanto eu estou feliz!

quarta-feira, março 17

Preparem suas pupilas

Eu decidi - com toda a alegria do mundo e com a animação que me cabe - que vou voltar a fotografar como antes e que vou tentar não me preocupar com a ausencia crítica de comentários nas minhas fotos. Eu amo fotografia, isso deve bastar.

A conquista do espelho
A conquista do espelho

quinta-feira, março 11

IV

A UFRJ ainda vai me matar do coração, eu juro.

domingo, março 7

Segredo

Sabe aquela sensação incômoda de que ninguém realmente gosta de você? (Sempre)

quarta-feira, março 3

Útil inutilidade

Eu sei que ninguém merece o modo de escrever da Veja nem seus escândalos manipulados ou seu poder  duvidoso de formar opinião. Mas nem tudo é tão ruim. A editora Abril disponibilizou um acervo digital das edições da revista, que vão desde 1968 - depois do golpe, para minha tristeza - até 2010. Fato que eu não li todas as reportagens, só as da semana de 10 de dezembro de 1991. É interessante olhar as grandes novidades, como quando primeira dama escolheu o corte de cabelo pelo computador ou os argentinos estavam numa boa situação econômica e viajavam pelo Brasil. Ainda assim, o que mais me chamou a atenção foram as propagandas da época - os PCs revolucionários, os cigarros circulando livre na mídia e toca CDs "compactos" - e a pequena margem lateral, o que é bem irritante. Vale a pena dar uma olhada, nem que seja pra estudar história.

 
1212ª edição - 1991

1ª edição - 1968

__________
Ando muito jornalística ultimamente, vou para com isso.
E eu estou morrendo de vontade de trocar de layout, socorro.

sexta-feira, fevereiro 26

Um ás de Espadas fora do baralho


Quem mente antes diz a verdade.
Antigamente eu sabia exatamente o que fazer.
Tudo bem, até pode ser que os dragões sejam moinhos de vento.
Tudo bem, seja o que for, seja por amor às causas perdidas.
Por amor às (tantas e tantas) causas perdidas...
Eu falei nem pensar, eu fui sincera como não se pode ser,
Mas o teu olhar, sempre distante, sempre me engana...
A lembrança no espelho,  a esperança na outra margem...
Quantas vezes a gente sobrevive à hora da verdade?
Ainda bem que, na falta de algo melhor, nunca me faltou coragem (será?)
Não quero ser o que eu não sou (e eu não sou maior que o mar...)
E é o que há de melhor, é o que dá pra fazer.
Não dá pra evitar e não se pode esconder.
Se fosse fácil achar o caminho das pedras, tantas pedras no caminho não seria ruim.
E a grande lição que se leva é que a vida não pode ser um conta-gotas na tua mão. É isso.


Engenheiros são minha alma gêmea.

quinta-feira, fevereiro 25

Com licença

Preciso muito dizer:
Eu amo a minha vida, meus amigos e meu namorado!

E eu acho, só um pouco, que complico tudo demais.

segunda-feira, fevereiro 22

Coisas não orgulháveis

Às vezes eu penso que odeio a minha vida.
Eu começo a reclamar irracionalmente sobre tudo nela.
Então vem alguns anjos me dizer como eu estou errada.
Eles me acalmam.
Aí eu vejo como sou ingrata e ranzinza.
Assim eu me odeio um pouquinho mais cada vez.
(Benditos sejam meus anjos)

sexta-feira, fevereiro 19

Hola!

Nunca aprendi tanto espanhol como nessa viagem.
Mal voltei e já tenho mil coisas pra fazer (auto-escola, curso de francês ou alemão, resolver pra que faculdade eu vou e etc)
Quero seis meses de férias :T

quarta-feira, fevereiro 3

Férias

Pra que te quero? Pra tudo.
Vou voltar a ser criança por duas semanas.
Bom carnaval para vocês e beijos!

sábado, janeiro 30

Hey, ho, let's go!


Melhor escola de Desenho Industrial da América Latina e eu paseei, ui, ui, ui!
Agora só fico mais na dúvida: Arquitetura ou D.I.?

sexta-feira, janeiro 29

Das coisas

Isso de fazer dezoito anos faz a gente se sentir - nem que um pouquinho - velha. Achei que tudo iria passar correndo depois dos quinze, mas agora tenho certeza que o tempo vai fugir do controle. Eu não escrevi alguma coisa publicável desde o ano passado. Isso angustia e me faz pensar no que eu gosto, no que eu nunca vou deixar de gostar. O fato de eu ter escolhido uma profissão, cujas específicas eu quase negligenciei - na medida do meu possível - durante o ensino médio, só porque, quase magicamente, eu me identifiquei com ela como se fosse a tal da minha alma gêmea também me faz pensar. O que eu amo, indiscutivelmente, é criar e eu jamais trabalharia com algo que não me proporcionasse isso. O processo criativo, o ter idéias, o tal brainstorm, o finalmente colocar no papel, ver concreto o que você imaginou é sensacional - e eu cheguei à conclusão de que quero e posso viver disso! Para quem pensou a vida toda que trabalhar tinha que ser desvinculado de prazer essa foi uma descoberta e tanto.

Um filme que eu vi, Amor Sem Escalas (Up in the Air), e essas constantes ameaças do fim do mundo – que, vale ressaltar, existem desde sempre – também me fizeram refletir. Não sei bem o que me basta, mas existem várias coisas que eu amo muito, que me fazem bem e me enchem os olhos. José Paulo Paes, Cecília Meireles, Zeca Baleiro, Engenheiros do Hawaii, certos papéis, uma câmera fotográfica e alguns gigabytes, mate gelado com limão, Michael Sowa, Escher, viajar, projetos, inventar, criar, aprender, saber. A questão não são as coisas essenciais para mim, eu incluiria as pessoas que eu gosto também. São coisas criadas por gente e que alimentam a vida de outros. Acho que uma das melhores sensações que existe é a de ver que algo que você fez, pensou, idealizou, se encaixa perfeitamente no sentimento, solução ou mesmo problema que alguém procura. Talvez seja outro motivo pra eu ter escolhido o que escolhi pra minha vida – além do memorável fato de que eu vou mexer com todas as áreas do conhecimento e de isso me entusiasmar muito.

Eu nunca vou cansar de observar e fazer anotações mentais de tudo o que eu vejo e, enquanto eu puder fazer isso - mesmo que prevaleça essa sensação de falta de ferramentas para terminar meus projetos – eu vou estar muito satisfeita. Há só uma coisa que me incomoda profundamente: eu não vou viver o suficiente para ver o caminhar das idéias e das invenções, o desenvolver do mundo, e nem vou poder saber tudo o que há para saber. Depois disso posso dizer, com convicção, que o mundo me encanta e é isso que, no fundo, me move.

"Como o céu refletido nas pupilas do um cão"

terça-feira, janeiro 26

Uiui

Quer uma dica? Nasça sem sisos ou eles vão querer nascer em você e você vai ter que tirar e não vai ser legal.
Ai que dor...

sexta-feira, janeiro 22

Eis a questão

 Por que as férias sempre prometem e não cumprem?

quarta-feira, janeiro 20

Cadê tu?

Tatu-bola é bicho que se esconde,
que enrola em si mesmo
(pra fugir de outros sis).
É forte, forte mesmo,
da carapaça para fora;
e é fraco, molengo,
antes do umbigo.

É tatu que não tem garra,
entra na toca dos outros.
Não gosta do dia
(da luz que revela as miudezas),
e suas costas nem sempre foram grossas
(o tempo as fez impenetráveis).
Prosopopéia de gente.

__________
Alguma coisa, depois de tanto tempo.

segunda-feira, janeiro 18

Dias abafados

E sabe qual é a dor maior nesses tempos de mudança? No final, ninguém se importa. Ninguém sente falta, ninguém nunca mais liga. E todos viram conhecidos, as pessoas que você jurava serem seus melhores amigos. As exceções são pouquíssimas... Já aconteceu antes e será exatamente igual agora. Não vão mais se importar, porque nunca se importaram, porque nunca fez diferença para eles. E você fica esperando um telefonema no aniversário, um convite para sair ou mesmo um recadinho discreto solto por aí. E ele não vem, esqueceu de vir, se perdeu. Odeio a idéia de que pessoas são substituíveis. Odeio a impressão de ser substituída. (Um detalhe: não se pode perder um lugar que nunca foi seu).

sábado, janeiro 16

sexta-feira, janeiro 15

Olá, mundo!

Eeeeeeeeeeeeee! Agora que passaram (quase) todas as provas - só falta meu lindo THE que definirá minha vida nesse ano - podemos voltar a nos concentrar no blog, em escrever e em fotografar, não acha? Assim, depende muito de você e dos seus acontecimentos. Seria muito, muito bom se certos dias demorassem demais pra passar e certos outros dias passassem beeeeeem rapidinho. Seria ótimo também que chovesse menos de dia e mais de noite - como anda acontecendo, vale ressaltar e agradecer -, isso gera vários bons acontecimentos. Ah, não deve esquecer que o fim de semana, esse ano, será sagrado! Pelo menos nos seis primeiros meses. Obrigada pela PUC e muito provavelmente pela UFF, agora é torcer pela UFRJ! Nos vemos em breve.


Meu namorado me deu um popó, só ele me ama.

quarta-feira, janeiro 6

Magnificação trófica

Essa desintoxicação já tomou muito do meu tempo. Março esta chegando de novo, já vai passar; um ano. Quero intoxicar-me novamente. Chega de abstinência, de desculpas. Dezembro levou consigo toda e qualquer desculpa que eu poderia dar a mim mesma. Acho ate que desaprendi. Perdeu-se em algum lugar desse baú de toxinas o manual. Sempre achei que saberia o que fazer, mas não sei nem começar... Parece que esse ano chegou cedo demais. Volta para onde veio, 2009! Um mecânico sem ferramentas não pode consertar nada. É preciso meio, utensílio. Não posso consertar, montar, inventar, resolver nem criar nada agora. Não estou pronta.
__________
Algo que estava preso por aí, do início do ano passado. É que só agora ele ficou maduro e caiu. É, ano passado... Bem vindo, 2010.

domingo, janeiro 3

...



Envelheci dois anos ou mais nesse último mês.

sexta-feira, janeiro 1

Dez

Desse ano eu prometo que não vou esperar nada. Espero cumprir.