quarta-feira, maio 13

Alívio imediato

Dia de despejamento, procedimento padrão.



Chega, por favor. Pare de lembrar. Não fale mais nisso, não quero mais ouvir. Já passou, queria ter esquecido. Você não deixa, mesmo tão distante. Quero finalmente abandonar todos os planos, todos os sonhos, qualquer pedaço de imaginação ligado a você. Foi ótimo, maravilhoso, mas foi. Infelizmente não é filme, livro nem música, não dá pra acontecer desse jeito - por mais que eu queira. Toda vez que eu me ergo, você me derruba. Pare de colocar-se à minha frente, eu quero ir para longe. Mesmo que ainda pareça que acabou antes do tempo, o tempo passou, e foi rápido demais. A vontade pode até ser grande, mas o espaço é maior, colossal. Podia ter tudo parado naquela época ou talvez eu deveria ser menos parada. Você faz falta, não me pergunte mais isso que eu não te pergunto de volta. Cansei dessa enrrolação que já chega a um ano. Se escolheu ir embora, por que não foi de uma vez por todas? Por que faz questão de marcar presença em intervalos de tempo que parecem calculados? Vá logo! Agora eu é que preciso mudar de lugar, mudar de gente, de ar; queria sair. Pro sul, talvez, um outro lugar fresco, longe desse caos daqui de dentro... Longe de qualquer luz que ainda esteja acesa.
Um apelo, não sei mais bem a quem.

4 comentários:

  1. "- Como a gente pode se gostar limpo nessa cidade suja?"

    ResponderExcluir
  2. Oh, honey pie, you are driving me frantic
    Sail across the Atlantic
    To be where you belong.

    ResponderExcluir
  3. Me identifiquei um pouco, desculpa.
    Eu tou aqui sempre, sempre, sempre.

    PS.: Escuta "Na sua estante" da Pitty.

    ResponderExcluir
  4. "Toda vez que eu me ergo, você me derruba." Adorei, o seu blog. Me identifiquei bastante com ele. As fotos são lindas! Parabéns! Você tem muito talento.

    ResponderExcluir