terça-feira, março 31

Para uma amiga linda

(...)
Seus olhos tão negros, tão belos, tão puros,
Têm meiga expressão,
Mais doce que a brisa, — mais doce que o nauta
De noite cantando, — mais doce que a frauta
Quebrando a solidão,

Seus olhos tão negros, tão belos, tão puros,
De vivo luzir,
São meigos infantes, gentis, engraçados
Brincando a sorrir.

São meigos infantes, brincando, saltando
Em jogo infantil,
Inquietos, travessos; — causando tormento,
Com beijos nos pagam a dor de um momento,
Com modo gentil.

Seus olhos tão negros, tão belos, tão puros,
Assim é que são;
Às vezes luzindo, serenos, tranqüilos,
Às vezes vulcão!
(...)
Seus olhos tão negros, tão belos, tão puros,
Assim é que são;
Eu amo esses olhos que falam de amores
Com tanta paixão.
Por Gonçalves Dias.
De Giordana,
Para Jade.
Parabéns!

(é claro que a Majú vai escrever uma coisa linda e acabar com minha auto-estima, mas ninguém bate o Gêdezinho.)

3 comentários:

  1. Vou escrever nada, não
    Eu odeio a Jade!
    Queria ela morresse...




    MENTIRA!
    1º de abril!
    :)
    Mas eu realmente não sei se vou escrever alguma coisa :B

    ResponderExcluir
  2. HAHAHAHA A Majú é muito escrota!
    Mas eu ameeeeei, amiga! Eu amo esse poema! =)
    Você é linda, tanto por dentro quanto por fora. Fala sério, como é possível combinar inteligência com bondade? Porque eu sou um amor, mas sou burra; e o Puppin é super inteligente, mas é um idiota! Já você consegue ser os dois ao mesmo tempo... e isso é lindo!
    Eu te amo, nunca quero te perder. E acho que isso é o melhor da amizade: saber que nunca perderei.
    Beijos!

    ResponderExcluir