domingo, outubro 26

Surfando em Márquez e Ferreira Gullar

Há algum tempo descobri que para ler precisa-se de coragem. Só os corajosos se arriscam a entrar no mundo totalmente desconhecido que é abrir um livro novo e só os realmente destemidos agüentam o fardo de chegar ao fim dele. Desistir de um livro é o mesmo que abrir mão de um tesouro há muito desejado e que está prestes a ser descoberto; é morrer antes da hora por não achar que a vida valha a pena; é desprezar todo o trabalho que o autor teve para expor com tanta veemência tudo o que idealizou.

Toda vez que começamos a ler uma nova história é um misto de ansiedade e medo que toma-nos por inteiro - e isso pendura por alguns capítulos, até nos acostumarmos com a idéia de um novo universo à nossa frente. É insegurança de não se sentir confortável por simplesmente não saber o que virá na próxima página. Quando me aparece um flashforward sou arrebatada por uma curiosidade tão grande e uma vontade tão devastadora de chegar logo ao fim que a história passa correndo pelos meus olhos, como se eles lessem sozinhos e absorvessem tudo o que aquelas palavras querem passar.

Para querer experimentar todos esses sentimentos e chegar ao fim para ler a última palavra da última frase naquela tão desejada última página de um livro, tem que ter coragem. Não é qualquer leitor que agüenta a perda de um personagem querido, a vitória do vilão, a revelação do maior segredo que desenrola toda a história ou mesmo o fim. Enfrentar o fim de um livro é o mesmo que enfrentar a morte, sentir o gosto de que tudo acabou e gostar; gostar do fim e aceitá-lo por completo. Por mais que possamos reler um livro quantas vezes quisermos não haverá o mesmo gosto da primeira vez, não sentiremos aquele frio na barriga ao abri-lo e nem aquela ansiedade com o final. É como ver a foto de uma pessoa que já morreu: pura nostalgia.

Ainda bem que, na falta de algo melhor, nunca me faltou coragem.

__________
Onde foi parar todo mundo?

7 comentários:

  1. Excelente texto, e uma boa referência no título (sobre a outra não digo nada, nuncca li Márquez).

    Parabéns

    ResponderExcluir
  2. Me sinto um chato lendo meus livros agora. Obrigado. Mas de qualquer forma, não há como me envolver dessa forma com os livros que leio. "Wooow, esse Big Bang botou pra quebrar hein!" ; "Será que essa espécie vai mesmo evoluir? Darwin, seu danadinho!"; ...Acho que preciso reler coisas com personagens. Eu era mais feliz =/

    ResponderExcluir
  3. Ah, fica com o blog pra você, logo

    ResponderExcluir
  4. Nesse ano, a maioria dos livros que eu peguei pra ler foram aqueles do tipo "não entendi nada até os 80% da história, mas o final é absurdamente genial!". Infelizmente eu demoro mil anos pra terminar de ler um desses, porque eu desisto várias vezes, e volto depois...

    ResponderExcluir
  5. Já pensou se tivermos mais de 42 comentários em um só post?

    ResponderExcluir
  6. acho isso meio difícil... hahahaha

    ResponderExcluir
  7. Ah, fica com o blog pra você, logo (2)

    ResponderExcluir